Cidades-esponja: combatendo enchentes em centros urbanos.



Assim como grandes cidades brasileiras, várias partes do mundo sofreram com enchentes e inundações que causaram diversas tragédias nas últimas décadas.

Para enfrentar ou evitar catástrofes, urbanistas têm rejeitado soluções tradicionais, em favor de novas tecnologias e formas de garantir a drenagem da água: surgem, então, as chamadas cidades-esponja.


O conceito parte da ideia central de que as grandes cidades lidam com a água de maneira incorreta. Em vez de coletar a água das chuvas e jogá-la o mais rápido possível nos rios, as cidades-esponja abrangem uma série de recursos e medidas que asseguram espaço e tempo para que a água seja absorvida pelo solo.


Essas medidas incluem a criação de:


  1. Parques alagáveis: Estrategicamente localizado à beira de um rio ou numa depressão para armazenar água. Possui passarelas que permitem o tráfego de pessoas mesmo nos períodos de cheia.

  2. Telhados verdes: Vegetação na área superior dos imóveis em formato de jardim ou vaso.

  3. Calçamentos permeáveis: Cobertura de solo porosa, que permite que a água penetre no solo.

  4. Praças-piscina: Área de lazer, às vezes em formato de quadra, que vira reservatório quando chove. Depois, a água retida é distribuída no subsolo por encanamentos.


Para mais informações entre contato com a nossa consultoria ambiental, clicando aqui.

17 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo