top of page

Imagens de satélites dos últimos 17 anos mostram as alterações na cobertura dos biomas brasileiros



Os dados, inéditos, revelados pela segunda coleção de mapas do MapBiomas mostram como o território brasileiro se transformou ao longo do século XXI, com imagens de satélite que vão de 2000 a 2016. Em apenas 15 anos, entre 2001 e 2015, o país perdeu 20% de sua área de manguezais, em parte destruídos pela expansão urbana. O Pantanal, bioma brasileiro mais preservado, assiste a uma conversão da vegetação natural, onde o uso de pastagens naturais é alterado para pastagens plantadas com vegetação exótica – 13% área (incluindo gramíneas e florestas) virou pasto no mesmo período. E o Cerrado teve perdas proporcionalmente três vezes mais elevadas do que a Amazônia. Mas há também esperanças: a quase extinta Mata Atlântica passa por um renascimento, tendo ganho 2,5 milhões de hectares (o equivalente a quase uma Bélgica) neste século.

O MapBiomas se trata de um Projeto de Mapeamento Anual da Cobertura e Uso do Solo no Brasil, iniciativa do Observatório do Clima em colaboração com 18 instituições, entre universidades, ONGs e empresas de tecnologia. A nova série de mapas permitirá pela primeira vez acompanhar a evolução da ocupação do território em todos os biomas brasileiros ao mesmo tempo – hoje essa informação só está disponível para a Amazônia e Mata Atlântica e, de dois em dois anos, para o Pantanal – e calcular com maior precisão as emissões de gases de efeito estufa dele resultantes. Possibilitará também saber quanta floresta está se regenerando no Brasil, como se revelou ser o caso da Mata Atlântica.

A Mata Atlântica, que teve sua cobertura original reduzida a 12,5%, cresceu de 276 mil quilômetros quadrados em 2001 para 301 mil quilômetros quadrados em 2015. O estado campeão de regeneração foi o Paraná mas quem ganhou mais mata em relação à área total do estado foi o Rio de Janeiro. O crescimento de florestas secundárias na Mata Atlântica está longe de significar que o bioma esteja salvo, o desmatamento nas matas primárias permanece, em taxas relativamente menores, mas ainda inaceitáveis. Entretanto a recuperação das florestas secundárias já é um bom motivo para comemorar, já que estas sequestram carbono (mitigando o aquecimento global), protegem fontes de água e criam corredores entre fragmentos de mata.

Os mapas de todo o país, foram gerados através de dois recursos nunca antes empregados em conjunto no entendimento do uso do solo no Brasil. O primeiro é o trabalho em rede, com especialistas da academia, do setor privado e de organizações ambientais. O segundo é a computação em nuvem, feito a partir da plataforma Earth Engine, do Google, o que fez com que multiplicasse o poder de processamento de dados do projeto. Segundo Tasso Azevedo, do Observatório do Clima/SEEG, coordenador geral do MapBiomas. “Isso não substitui outros sistemas de monitoramento, mas complementa-os, para dar um quadro mais completo de como nosso território vem se transformando.”

#Desmatamento #Biomasbrasileiros #MapBiomas

14 visualizações0 comentário