Como gerenciar o lixo eletroeletrônico?


A chegada da tecnologia trouxe inúmeros benefícios para a sociedade, possibilitando a realização de diversas coisas de maneira prática, rápida e eficiente.

O avanço tecnológico mudou a forma como as pessoas se comunicam. O uso de celulares tem sido cada vez mais comum, com aplicativos que se aplicam a diversos fins. No entanto, essa rápida inovação da tecnologia reduz a vida útil dos aparelhos elétricos e eletrônicos. Um impacto negativo desse cenário é o aumento do lixo eletroeletrônico.

O lixo eletroeletrônico é composto por computadores, celulares, televisores, geladeiras, impressoras, etc. É todo aparelho elétrico e eletrônico que foi descartado


Imagem representando lixeiras

por alguma razão.

De acordo com dados da Organização das Nações Unidas (ONU), em 2016 foram gerados 44,7 milhões de toneladas de lixo eletroeletrônico no mundo. O Brasil é o segundo maior produtor desse tipo de resíduo nas américas, perdendo somente para os Estados Unidos. É o resíduo que mais cresce no mundo.

Dois fenômenos da atualidade contribuem para o consumismo exacerbado de produtos elétricos e eletrônicos: a obsolescência programada e a obsolescência perceptiva.

A obsolescência programada é um conceito que surgiu com o avanço do capitalismo. O produtor decide, propositadamente, reduzir a vida útil de determinado produto para obrigar o consumidor a comprar mais e consequentemente descartar mais. É a fabricação de um item já programado para estragar.

A obsolescência perceptiva está diretamente ligada à modernização do produto, em aspectos visuais, porém com pouca mudança na funcionalidade. Esse conceito convence o consumidor de que o seu produto já está velho e ele precisa adquirir um mais bonito e moderno, a última versão. Esse fenômeno também estimula o consumidor a comprar e descartar mais.

Por ser um resíduo que contém metais pesados e tóxicos como o mercúrio, chumbo e cádmio, se armazenado e descartado de maneira inadequada, o lixo eletroeletrônico pode ter graves consequências para a saúde e para o meio ambiente.

Assim como outros tipos de resíduo, o lixo eletroeletrônico requer um Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos (PGRS). É importante fazer um manejo adequado, desde a geração até a destinação final. Se armazenado em local aberto, exposto a fatores climáticos, pode liberar substâncias tóxicas e contaminar o solo e as águas.

A Política Nacional de Resíduos Sólidos, objetiva a gestão integrada e prevê que empresas que produzem itens eletroeletrônicos devem se responsabilizar pelo ciclo de vida destes, através da logística reversa.

A logística reversa é o retorno de determinado produto ou embalagem ao processo produtivo ou para uma destinação correta, visando o aproveitamento de recursos e a preservação do meio ambiente. Nessa logística, a empresa fabricante fica responsável por recolher o produto ou embalagem, após o consumo.

Empresas que geram esse tipo de resíduo em seus processos, como assistências técnicas de celulares e computadores, bem como fabricantes, têm muito a ganhar implantando um Plano de Gerenciamento de Resíduos.

O Plano de Gerenciamento de Resíduos Elétricos e Eletrônicos tem a função de:

- Identificar quais os processos que geram resíduos;

- Caracterizar os resíduos gerados, ou seja, classificá-los quanto a periculosidade e quantificá-los;

- Definir quais serão as formas de manuseio, acondicionamento, armazenamento e coleta dos resíduos;

- Apontar como será realizado o transporte dos resíduos, bem como seu tratamento e destinação final;

- Informar maneiras de reuso e reciclagem.

Esse plano de ação é capaz de reduzir os resíduos da fonte geradora e os gastos vinculados, além de proporcionar soluções para o aproveitamento econômico do ouro, prata e cobre presentes em alguns componentes eletrônicos.

Uma empresa que preza pelo manuseio e destinação correta dos seus resíduos tende a sobreviver no mercado, evitando multas e autuações, preservando sua imagem perante os stakeaholders, além de contribuir para a preservação do meio ambiente.


21 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo